sábado, 1 de novembro de 2008

livro em branco

Quem sou?
O tempo dirá.
Os dias que passam,
responderão por mim.
Se souberes ouvir o vento,
que nem sempre sopra certo.
Se esperares pelo amanhecer,
que por vezes tarda.
Poderás ver outro dia
escutarás mais uma fábula,
docemente sussurrada,
pela aragem da manhã.

Quem és
Não sei
Estou à porta, e bato
Nada tenho para dar
Apenas, um livro de ilusões.
Ainda em branco
Esperando por nós

RuiSantos

1 comentário:

princesa papoila disse...

Mantem em branco esse livro de ilusões se é que ainda o podes fazer, pois que a desilusão é das tragédias piores que nos podem acontecer.