sábado, 1 de novembro de 2008

Nadas

Gotas de água enchem o mar,
Pequenos nadas constroem a vida
Gotas de água multicores
Formam arco íris, de utopia
Mudando as certezas inúteis
Em dúvidas errantes, de paixão
Gotas, lágrimas que o dia verte
Pela hora que passa
Horas que gritam
Horas que choram
No sussurro imponente do mar
Memórias de ondas, lisas
Em rios de gotas
teimosas em se unir
Acalentando sonhos e visões

Gota
Quanta falta fazes
Sem ti
O dia torna a um vazio de cinzentos
Sendo apenas
Pequenos nadas
Como nós
Edificando pontes sem termo
Com suaves trovas simples
Trazem noites e dias
À eterna certeza
Da paixão

RuiSantos

1 comentário:

princesa papoila disse...

"Nadas"...este pequeno nada é das coisas que escreveste que mais me tocam. Simples, terno...claro como uma gota de água.
O que é bom não é necessáriamente complicado ou incompreensivel.